O diálogo potente no jornalismo: pensando a interatividade em seu viés pedagógico
PDF
EPUB
MOBI

Palabras clave

interatividade
diálogo
práxis
neutralidade
conhecimento jornalístico

Cómo citar

Bezerra, J. F. (2020). O diálogo potente no jornalismo: pensando a interatividade em seu viés pedagógico. Revista De La Asociación Española De Investigación De La Comunicación, 7(13), 99-117. https://doi.org/10.24137/raeic.7.13.5

Resumen

O artigo lança e visa fundamentar teoricamente a hipótese de um diálogo potente entre jornalistas e público nas sociedades interativas. Entendendo o jornalismo como forma de conhecimento, argumenta-se que as opções de uso da interatividade por esses dois atores na contemporaneidade podem alterar significativamente não só o modo de feitura do jornalismo, mas também o conhecimento por ele produzido, gerando a ideia de uma educação informal emancipadora. Ancorando-se nas bases teóricas do conceito de práxis, diálogo e neutralidade do pedagogo brasileiro Paulo Freire, entende-se que a interatividade pode ser utilizada com fins pedagógicos no jornalismo.

Abstract: The article launches and aims to theoretically support the hypothesis of a powerful dialogue between journalists and the public in interactive societies. Understanding journalism as a form of knowledge, it is argued that the options for the use of interactivity by these two actors in contemporary times can significantly alter not only the way journalism is made, but also the knowledge it produces, generating the idea of an education. informal emancipating. Anchoring the theoretical basis of the concept of praxis, dialogue and neutrality of the Brazilian pedagogue Paulo Freire, it is understood that interactivity can be used for pedagogical purposes in journalism.

https://doi.org/10.24137/raeic.7.13.5
PDF
EPUB
MOBI

Citas

Anderson, C., Bell, E. e Shirky, C. (2013). Jornalismo pós-industrial. Revista de Jornalismo ESPM, 2(5), 30-89.

Cerqueira, L. (2018). Saberes, Linguagem e Dispositivos didáticos: as dimensões da função pedagógica do telejornalismo. (Tese de Doutorado em Comunicação). UFPE, Recife.

Donsbach, W. (2013). Journalism as the new knowledge profession and consequences for journalism education. Journalism, 15(6), 661-677. https://doi.org/10.1177%2F1464884913491347

Freire, P. (2011). Pedagogia do oprimido. 50ª. ed. São Paulo: Paz e Terra.

Genro Filho, A. (1987). O segredo da pirâmide: para uma teoria marxista do jornalismo. Porto Alegre, Tchê.

Gomes, Wilson. (2009). Jornalismo, fatos e interesses: ensaios de teoria do jornalismo. Florianópolis, Insular.

Lima, V. (2001). Comunicação e cultura no fim do século XX: a atualidade de Paulo Freire. Em: A. M. A. Freire (Org.). A Pedagogia da Libertação em Paulo Freire. São Paulo: Editora da Unesp (pp.287-290).

Lippmann, W. (2009). A opinião pública. Petrópolis: Vozes.

Manual da Globo de Telejornalismo. (2005). Central Globo de Jornalismo. Rio de Janeiro. Em: A. Vizeu. Os jornalistas e a audiência: a hipótese da audiência presumida (pp.23-24). Disponível em http://www.intercom.org.br/papers/nacionais/2005/resumos/R1591-1.pdf. Acesso em 02 de dezembro de 2018, às 18h

Meditsch, E. (2016). Paulo Freire nas práticas emancipadoras da Comunicação: ainda hoje um método sub-utilizado no Brasil. Revista Latino Americana de Comunicação, 13(25), 450-462.

___; Faraco, M. (2003). O pensamento de Paulo Freire sobre jornalismo e mídia. Revista brasileira de Ciências da Comunicação, 26(1), 25-46.

Mesquita, G. (2014). Intervenho, logo existo: a audiência potente e as novas relações no jornalismo. (Tese de Doutorado em Comunicação). UFPE, Recife, 2014.

___; Vizeu, A. (2014). A audiência potente e as novas relações no jornalismo. Revista Estudos em Jornalismo e Mídia, 11(2), 596-607.

Park, R. (1940). A Notícia como forma de Conhecimento: um capítulo dentro da Sociologia do Conhecimento. In: C. Berger (Org). A Era Glacial do Jornalismo: Teorias sociais da imprensa Vol 2. Porto Alegre: Editora Sulina.

Passos, S. (2019). Entrevista concedida via e-mail em 17 de janeiro de 2019.

Primo, A. (2000). Interação mútua e reativa: uma proposta de estudo. Porto Alegre, 12, 81-92.

Vizeu, A. (2005). Os jornalistas e a audiência: a hipótese da audiência presumida. Disponível em http://www.intercom.org.br/papers/nacionais/2005/resumos/R1591-1.pdf. Acesso em 02 de dezembro de 2018, às 18h.

Vizeu, A., Rocha, H., Mesquita, G. (2010). O Cidadão como Co-Produtor da Notícia: Novos Desafios ao Jornalismo. XXXIII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação. Disponível em http://www.intercom.org.br/papers/nacionais/2010/resumos/R5-2794-1.pdf. Acesso em 7 de janeiro de 2019, às 9:00.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.