Antipolítica e Populismo na Comunicação do prefeito reeleito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PSD)
Portada: Antipolítica e populismo
PDF
EPUB
MOBI

Palabras clave

Comunicação Política
Populismo
Brasil
Eleições municipais
Belo Horizonte

Cómo citar

Fernandes, C. M., de Oliveira, L. A., & de Resende Chaves, F. (2022). Antipolítica e Populismo na Comunicação do prefeito reeleito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PSD). Revista De La Asociación Española De Investigación De La Comunicación, 9(17), 330-359. https://doi.org/10.24137/raeic.9.17.14

Resumen

O artigo analisa e discute aspectos da comunicação política do prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PSD), ex-cartola do futebol mineiro que se lançou politicamente nas eleições municipais brasileiras de 2016, alçando de candidato excêntrico a prefeito reeleito em 2020 já no primeiro turno, com ampla aprovação popular. Verifica-se uma postura ambígua por parte do prefeito que, por um lado, lança mão de traços de linguagem populista e de um discurso de negação da política. Por outro lado, adapta-se bem à lógica da política tradicional na relação partidária pragmática visando à governabilidade e à sustentação no poder. Realiza-se uma análise de conteúdo da comunicação institucional e eleitoral de Kalil, buscando compreender melhor, numa perspectiva de personificação do campo político, como se estrutura o discurso político do prefeito depois de ter ascendido ao governo. O objetivo é ensaiar uma contribuição para o estudo em torno das manifestações de um novo populismo em contextos políticos locais. 

https://doi.org/10.24137/raeic.9.17.14
PDF
EPUB
MOBI

Citas

Bardin, L. (2017). Análise de conteúdo. Lisboa: Editora Edições 70.

Bobbio, N. (2011). Direita e esquerda: razões e significados de uma distinção política. São Paulo: Unesp.

Bourdieu, P. (2009). O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Cervi, E. U. (2001). As sete vidas do populismo. Revista de Sociologia e Política, 17, 151-156, 2001.

Cesarino, L. (2020). Como vencer uma eleição sem sair de casa: a ascensão do populismo digital no Brasil. Internet & Sociedade, 1(1), 91–120. Disponível em https://cutt.ly/cPhKL7D

Comparato, F. K. (2010). A Afirmação Histórica dos Direitos Humanos. São Paulo: Saraiva.

Engesser, S., Ernst, N., Esser, F. e Büchel, F. (2017). Populism and social media: How politicians spread a fragmented ideology. Information, Communication & Society, 20(8), 1109–1126. https://doi.org/10.1080/1369118X.2016.1207697

Gomes, A. M. C. (1996). O Populismo e as Ciências Sociais no Brasil: notas sobre a trajetória de um conceito. Tempo (London), 1(2), 59-72.

Gomes, W. (2004). As transformações da política na era da comunicação de massa. São Paulo: Paulus.

Hafez, K. (2019). The staging trap: Right-wing politics as a challenge for journalism. Journalism, 20(1), 24–26. https://doi.org/10.1177%2F1464884918807352

Hjarvard, S. (2012). Midiatização: teorizando a mídia como agente de mudança social e cultural. Matrizes, 5(2), 53-91. https://doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v5i2p53-91

Holanda, S. B. de. (1995). Raízes do Brasil. 26. ed. São Paulo: Companhia Das Letras.

Laclau, E. (2005). On populist reason. Londres: Verso.

Lima, V. A. (2004). Mídia: Teoria e Política. São Paulo: Fundação Perseu Abramo.

Lucas, J. I. P. (2003). A política da antipolítica no Brasil: uma reflexão no terreno da cultura política. Em I. Bulhões. (Org.). Visões do Brasil; realidades e perspectivas (pp. 75-94). Caxias do Sul: EDUCS.

Manin, B. (1995). As Metamorfoses do Governo Representativo. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 29, 5-34.

Mazzoleni, G. (2008). Populism and the Media. Em D. Albertazzi e D. Mcdonnell, D. (Orgs.). Twenty-First Century Populism: the Spectre of Western European Democracy (pp. 49–64). New York, NY: Palgrave Macmillan.

Miglino, A. (2010). A Cor da Democracia. Florianópolis: Conceito Editorial.

Miguel, L. F. (2021). Despolitização e antipolítica: a extrema-direita na crise da democracia. Argumentum, 13, 8-20. https://doi.org/10.47456/argumentum.v13i2.36261

Oliveira, L. A., Fernandes, C. M., Gomes. V. B. e Santos, D.L.V. (2018). A propaganda política no Facebook: O uso das fanpages pelos principais candidatos à Prefeitura de Belo Horizonte. Rizoma, 6(1), 74-88. https://doi.org/10.17058/rzm.v6i1.9535

Quintaneiro, T., Barbosa, M. L. de O., Monteiro, M. G. (2002). Um toque de clássicos: Marx, Durkheim e Weber. Belo Horizonte: Editora UFMG.

Roberts, K. (2006). Populism, Political Conflict, and Grass-roots Organization in Latin America. Comparative Politics, 36(2), 1272 – 1283.

Rubim, A. C. (2002). Espetáculo, Política e Mídia. Rio de Janeiro: Compós.

Schwartzenberg, R. G. (1978). O estado espetáculo. Rio de Janeiro/São Paulo: Difel.

Schedler, A. (Org.). (1997). The end of politics? Explorations into modern antipolitics. London. MacMillian Press.

Thompson, J. B. (1998). A mídia e a modernidade. Petrópolis: Vozes.

Weber, M. (2015). Parlamento e governo na Alemanha reorganizada. Escritos Políticos. São Paulo: Folha de São Paulo.

Weffort, F. (1989). O populismo na política brasileira. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.